Sobre

Fruto do Vaticano II, que recomendou o retorno à iniciação cristã numa dinâmica de catecumenato, o Caminho Neocatecumenal encarnou de uma forma autêntica e radical este desafio, desde há mais de 40 anos, tendo sido iniciado pelo espanhol Francisco (Kiko) Argüello, a que logo se juntou a sua concidadã Carmen Hernández, e só mais tarde o Padre Mario Pezzi – italiano – que formam atualmente a equipa dirigente internacional.

Basicamente, é um itinerário de formação cristã de caráter pós-batismal, destinado também a todos os afastados da Igreja. Propõe-se a reviver o batismo por etapas, em pequenas comunidades, onde se desenvolve e aprofunda a fé, formadas por jovens e adultos, fazendo um percurso inspirado no catecumenato da Igreja Primitiva, e tendo como centro a palavra de Deus, que desconstrói o nosso homem velho e faz germinar lentamente um novo ser dentro de nós, o próprio Jesus Cristo, que emerge no Batismo, ou na renovação das promessas batismais, já no final da caminhada. Aliás, Maria e a Sagrada Família são modelo deste itinerário de descida, pois naquela gestar-se-á o próprio filho de Deus, vivendo esta em humildade, simplicidade e louvor. Este percurso de fé tem como alicerce um tripé: Palavra, Liturgia e Comunidade. De uma vivência em comunidade/assembleia (ecclesiae) transparecerão gradualmente os sinais próprios que sempre distinguiram e distinguirão os cristãos: o amor e unidade (cf. Atos dos Apóstolos).

Como atitude de louvor e resposta à mudança que Deus opera na vida de tantos que andavam perdidos e agora foram resgatados, muitos catecúmenos – jovens e outros singulares, casais, presbíteros, etc. – oferecem-se para a evangelização, deixando tudo e indo para zonas descristianizadas, onde o anúncio do evangelho é premente. Também os seminários diocesanos Redentoris Mater estão a formar presbíteros vocacionados para a Nova Evangelização.

O Caminho Neocatecumenal está presente em mais de cem países em todo o mundo, em todas as dioceses portuguesas e na nossa diocese visibiliza-se em quinze comunidades (Vale Figueira, Santo André, Santo António/Palhais, Palmela e Setúbal).

A porta de entrada numa comunidade é a participação nos encontros iniciais (catequese de adultos) durante cerca de dois meses, que culminam com um Convívio (Retiro) a partir do qual, mediante a disposição manifestada pela pessoa, se inicia a fase probatória – o pré-catecumenato.